Vai passear com o pet no carro? Veja como transportá-lo em segurança

Provavelmente você já deve ter visto algum cachorro com a cabeça para fora do vidro do carro tomando um vento no rosto. Essa cena é bastante comum no trânsito brasileiro. Seja para destinos longos ou curtos, levar o animal de estimação dentro do veículo é uma prática quase inevitável para quem vai passear no parque, ir ao veterinário ou até mesmo fazer uma viagem de carro com o seu pet. Além de evitar multas, o transporte correto garante a segurança dos animais de estimação em eventuais freadas bruscas ou acidentes. 

Transportar o animal de estimação de maneira incorreta pode atrapalhar a visão do motorista e desconcentrá-lo durante a direção, podendo ocasionar acidentes e colocando sua segurança e do pet em risco. Segundo o DETRAN, em uma colisão a 60 km/h, o peso é multiplicado por 50. Para ter uma ideia, em caso de acidente a essa velocidade, um cachorro de 10 kg pode ser projetado para frente com o peso equivalente a 500 kg. 

Vale lembrar que não é indicado que o pet viaje com a cabeça para fora do carro, pois algum veículo pode passar e machucá-lo, na mesma linha de proibição de pessoas colocarem o braço para fora do carro.  O transporte inadequado de animais é considerado infração média pelo CTB e prevê multa de R$ 130,16, mais 4 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

 

 

Como transportar o animal de estimação no veículo? 

O Detran de SP indica que a legislação impede apenas o transporte de animais à esquerda ou no colo do motorista, e também na parte externa do veículo. Entretanto, a recomendação é que eles sejam sempre transportados no banco de trás, com uma cadeirinha específica, para os pequenos, e um cinto, para os grandes. Esses acessórios são vendidos em lojas especializadas e têm tamanhos diferenciados. Se outra pessoa estiver no carro, o bichinho pode viajar no colo do carona, preferencialmente no banco traseiro.

 

 

Caixa de transporte

 

 

 

Muito utilizada para transportar gatos e cães de pequeno porte, é indicada pelos veterinários para animais de até 25 kg. A caixa está disponível no mercado em diversas opções e tamanhos. Uma dica importante é deixar que o animal se acostume com a caixa dias antes do uso, para assim quando for preciso transportá-lo no carro ele não se assuste.

 

 

Cinto de segurança

 

 

O cinto peitoral é acolchoado e possui um engate que é fixado na trava do cinto de segurança do carro. Dessa forma, limita a movimentação do animal no veículo e impede que – em acidentes – o cão seja lançado para frente. Há opções tanto para cães de médio quanto de grande porte. É indicado apenas para cães que pesam de 5 a 50 kg, e o cinto deve envolver o peito, as costas e os ombros do cão.

 

 

Grade divisória

 

A grade deve ser colocada para separar os passageiros do animal de estimação. É ideal para os cães mais inquietos, que não se adaptam à caixa de transporte ou ao cinto canino. Indicada para cães de grande porte, acima de 25 kg. 

Vale lembrar

Muitas pessoas possuem o hábito de prender a coleira do cachorro no cinto de segurança do veículo, essa é uma prática extremamente perigosa para o animal, porque durante uma freada brusca, o animal pode se estrangular com a coleira. 


Gostou desse texto? Quer ler mais dicas e informações sobre o setor automotivo? Todo mês nós produzimos conteúdos novos aqui no nosso site, clique aqui para ver todas as matérias que já preparamos e conheça um pouco mais sobre a Saint-Gobain Autover, distribuidora oficial da Saint-Gobain Sekurit, que fabrica vidros automotivos para reposição com o mesmo padrão produtivo das montadoras.

 

NEWS-VERLAUF